Choro do bebê e interferências precoces na infância

O choro do bebê e as interferências precoces na infância
Foto: Elisa Elsie

Os pais em geral não estão preparados para lidar com o choro do bebê. O que pode gerar uma série de interferências externas, fragilização do vínculo e medicalização desnecessária da infância. Por isso a importância de ajustarmos as nossas expectativas em relação ao comportamento de um bebê ao mais próximo possível da realidade. Isso evitará frustrações e desespero diante do normal. Nos protegerá contra o oportunismo de vendedores de métodos de adestramento infantil. Também de profissionais que receitam remédios para acalmar os pais e não porque o bebê realmente precisa deles.

Já falei e repito: choro é comunicação, choro é mecanismo de sobrevivência, choro é a forma do bebê obter o que precisa. E do que um bebê precisa? De amor, de colo, de ser alimentado com frequência, de receber respostas consistentes dos seus cuidadores. O nosso medo cultural de mal acostumar o bebê com excesso de contato físico, de querer que fique no berço a todo custo, de que só coma de 3 em 3h, de que não passe mais de 15 min em cada peito, de que chore pra aprender a dormir sozinho, vão de encontro a tudo o que o bebê espera receber. E isto pode gerar ainda mais choro.

Na verdade, uma revisão da Associação Espanhola de Pediatria sobre as evidências científicas a respeito dos tipos de intervenção e sua eficácia em relação à cólica infantil, concluiu que o único método “bastante eficaz” foi a mudança na resposta dos pais em relação ao choro do bebê. Tais medidas incluíam: conhecer o padrão normal de choro, responder prontamente ao choro e alimentar o bebê em livre demanda. Medicação para gases, para cólica, dieta de lácteos na mãe, utilização de fórmulas especiais, chás, entre outros, se mostraram de ineficazes a pouco eficazes, ou com eficácia limitada a situações muito pontuais, alguns com riscos toxicológicos para o bebê ou de interferir negativamente na amamentação.

Em resumo, não negligencie o choro do bebê. Está demonstrado que quanto mais o bebê demora a ser atendido no seu choro, mas ele demorará a parar de chorar. Acolha sem medo. Bebês precisam de muito contato. A responsividade é o melhor remédio para o choro e a base para a construção do apego seguro entre pais e filhos.

[Leia mais em: Choro é Mais Que Comunicação, é Mecanismo de Sobrevivência, Choro é um Sinal Tardio de Fome e O Choro do Bebê e o Desmame Precoce]

[Não deixe de assistir a nossa live ou de ouvir o nosso podcast sobre Exterogestação: A Gestação do Colo para mais dicas de como lidar com o choro do bebê.]


Texto de Gabrielle Gimenez @gabicbs

Texto publicado originalmente no meu perfil do Instagram em 28 de maio de 2020.

Deixe uma resposta