Quando os médicos não têm razão

Quando os médicos não têm razão
Foto: Elisa Elsie

A recomendação médica de complementação com leite artificial deveria ser para a amamentação como a de cesárea para a via de nascimento. Ou seja, a última opção, escolhida com o intuito de preservar a vida em casos de risco real e iminente. Mas os altos índices de cesárea e a baixa média de aleitamento materno exclusivo no país, bem distantes dos números recomendados pela Organização Mundial de Saúde, nos mostram que na prática não é bem assim.

Quem é sua tribo?

Quem é sua tribo no puerpério?
Foto: Elliana Allon

Nasce um bebê e nasce uma mãe. E estes nascimentos trazem consigo uma mistura de sentimentos, uma ebulição de hormônios e emoções, e, infelizmente, solidão. Não deveria ser assim. Nenhuma mãe deveria ser abandonada à própria sorte para criar seu filho. Mas já não vivemos em tribos e as estruturas familiares estão cada vez mais enxutas e fragilizadas. Nossa cultura preza o imediatismo, numa busca frenética pelo material. Como é possível viver o momento do puerpério num contexto como este sem enlouquecer por completo?

Os primeiros mil dias

Os primeiros mil dias
Foto: Gabrielle Gimenez

Cada dia de nossas vidas importa.

Mas estudos tem demonstrado que “começar” bem faz toda diferença na qualidade dos nossos dias no resto de nossas vidas. Especialmente os primeiros mil. Os 270 dias da gestação, mais 365 do primeiro e 365 do segundo ano de vida totalizam 1000 dias. E é nesse período que ocorrem as principais evoluções, modificações e adaptações que o ser humano necessita vivenciar para se adequar ao mundo, tanto física quanto emocional e cognitivamente. Por esse motivo a Organização Mundial de Saúde e demais órgãos competentes da infância ratificam com frequência a importância desse período no desenvolvimento humano.

É possível criar filhos sem telas na era digital?

É possível criar filhos sem telas na era digital?
Foto: Gabrielle Gimenez

Este é um relato pessoal da nossa experiência de desintoxicação digital feita em setembro/outubro de 2019 e os aprendizados decorrentes de tudo o que vivenciamos.

Fui mãe pela primeira vez sem ter muita informação sobre quase tudo o que é realmente importante saber sobre desenvolvimento infantil. Eu sempre usei telas com o Nando, meu filho mais velho, porque eu cuidava dele sozinha, porque eu pensava que era uma boa maneira de entretê-lo (ele parecia tão concentrado e satisfeito enquanto assistia os vídeos!) e que ele precisava disso, e, principalmente, eu achava que era algo inócuo.

Por que os bebês não devem ser expostos às telas?

Foto: Gabrielle Gimenez

Vários anos atrás, um médico pediatra e pesquisador tirou licença paternidade. Enquanto passava grande parte do dia com seu filho de três meses no colo, percebeu o enorme interesse do garoto pela TV. Em sua palestra no TEDx, Dimitri Christakis[1] relata essa experiência como reveladora para suas investigações subsequentes. Ele se tornou uma das principais referências na tentativa de entender qual é o impacto das novas tecnologias no cérebro de bebês e crianças pequenas.

Qual a melhor maneira de cuidar dos dentinhos do bebê?

Qual a melhor maneira de cuidar dos dentinhos do bebê?
Foto: Amanda Oliveira

Desde o ano de 2008 a Associação Brasileira de Odontopediatria iniciou a recomendação de usar pasta com flúor na concentração A PARTIR de 1.000 ppm quando aponta o primeiro dentinho de leite. E esta mudança foi necessária porque houve um incremento na prevalência de lesões de cárie nas crianças brasileiras, especialmente nos bebês (até 03 anos de idade).