Precisamos falar sobre amamentação

Precisamos falar sobre amamentação
Foto: Elisa Elsie – Duas Estúdio

Por que é tão difícil falar de amamentação nos nossos dias sem causar rebuliço? Por que a divulgação de informação correta e embasada sobre o assunto é tão mal recebida por tantas mulheres? Por que se sentem atacadas ou diminuídas?

A resposta a essas perguntas é bem mais complexa do que parece. Mas é impossível chegar ao fundo da questão sem considerar o papel determinante da indústria na construção do panorama atual, com índices de aleitamento materno exclusivo tão abaixo do recomendado (e isso a nível mundial).

São décadas de bombardeio por meio de propaganda desonesta e manipulação de políticas públicas. A indústria conseguiu virar a balança de modo a transformar o natural em antinatural: o aleitamento artificial se tornou regra e a amamentação a exceção. A autoconfiança das mulheres por gerações seguidas tem sido destruída pela força dos mitos que a indústria ajudou a construir e impede à força de investimentos bilionários que sejam derrubados.

  • As mulheres foram induzidas a crer que não são capazes, que são defeituosas e precisam de uma ajudinha para complementar o leite insuficiente e fraco produzido a duras penas pelo seu corpo.
  • Por outro lado os avanços da indústria em pesquisas e produção e a normalização à força de publicidade do uso do leite de vaca modificado para bebês (também conhecido como fórmula ou leite artificial) tatuou no imaginário popular a ideia de que leite materno e leite artificial no fim das contas são a mesma coisa, e que em muitos casos a fórmula é até melhor. Essa relativização tem levado muitas mulheres a desistirem da amamentação diante do primeiro obstáculo, ou a sequer tentarem, porque acreditam que estão trocando seis por meia dúzia e evitando desgaste e estresse desnecessários.
  • Embora a ciência já tenha demonstrado uma e outra vez os perigos do uso de bicos artificias para a amamentação e para a saúde do bebê em geral, a indústria continua se esforçando para produzi-los com novas roupagens e promessas, sempre omitindo as consequências negativas do seu uso. Estamos no século XXI e as pessoas continuam pensando que é normal um bebê largar sozinho “porque quis” o peito aos 15 dias, 3 meses, 6, 9, 11 meses. Que isso simplesmente acontece do nada (o mesmo vale para o leite que seca do dia pra noite ou vice-versa). A verdade é que um bebê dificilmente fará isso antes dos dois anos (auge da fase oral) a menos que haja sofrido interferência externa, como por exemplo: uso de bicos e leite artificial (mesmo que ocasional), controle dos horários de mamadas, introdução alimentar desregrada, greve de peito mal interpretada, etc.
  • A indústria ainda conta com o apoio do sistema. Protocolos hospitalares obsoletos, profissionais de saúde desatualizados, boicote ou alcance insuficiente das políticas públicas no sentido de fomentar a amamentação, financiamento da indústria nos congressos médicos revelando um forte conflito de interesses, além da presença de seu marketing agressivo nos consultórios. Aqueles que deveriam ser os primeiros a defenderem e promoverem a amamentação como pilar fundamental da saúde do ser humano desde o começo da sua existência, são na prática um dos maiores obstáculos que uma mãe que amamenta precisa enfrentar para levar adiante a amamentação. A maioria é incapaz de orientar o manejo adequado da amamentação e de interpretar corretamente as curvas de crescimento do bebê de maneira individualizada e de avaliar sua saúde de forma global, indo além da balança.
  • E subjugada por todo esse contexto está a sociedade. Imersa em mitos e preconceitos, ela exerce uma pressão negativa sobre a recém mãe, deixando-a confusa e desestimulada por meio de pitacos sem fundamento e crendices que se perpetuam no tempo causando danos, mas sempre omitindo os verdadeiros culpados. É o caso do bebê que só chora de fome, do leite que não sustenta, da mamadeira com leite de verdade pro bebê dormir e a mãe descansar, da chupeta pro bebê não ficar tão dependente da mãe, da comida e do mingau oferecidos antes da hora e tantas outras. Sobram críticas e palpites e falta ajuda.

Quando uma mulher que não amamentou por qualquer que seja a razão, ou que amamenta usando elementos que já se demonstraram causadores de desmame, direciona sua fúria contra quem defende e promove a amamentação e questiona o modelo imperante, e em contrapartida exalta e defende a indústria, ela está fazendo justamente o jogo que interessa à indústria e lhe beneficia diretamente. Ao se fechar na sua dor e se recusar a aceitar a informação baseada em evidências como ela é (informação e não julgamento), ela perde a chance de entender exatamente o que provocou o seu “fracasso” em primeiro lugar e se libertar de uma culpa que não lhe pertence, já que os verdadeiros culpados dos desmames precoces em massa dos nossos dias são a indústria, o sistema e um entorno imediato hostil. Essa negação a levará muito provavelmente a incorrer nos mesmos erros em tentativas subsequentes.

Muitas criticam o fato de se divulgar, informar e defender a amamentação, sob o pretexto de que falar sobre esse assunto pode magoar e ofender as que não conseguiram. Então será que a solução seria simplesmente nos calarmos? Deixar que a amamentação se transforme de vez em um tabu? Tirar a chance das que ainda não são mães ou das que estão em tempo de fazer mudanças de rota e salvar a amamentação de fazerem as escolhas corretas que lhe permitirão alcançar o seu objetivo? Não acredito que essa seja a solução.

Embora o panorama atual nos leve a crer que a indústria já ganhou a guerra, não podemos perder a oportunidade de espalhar informação correta, de derrubar mitos, desmascarar os verdadeiros vilões e tratar de vencer as batalhas que se apresentem diante de nós. Porque cada mulher que recebe a informação e decide abrir a porta ao empoderamento, cada bebê que se salva de um desmame precoce, cada mãe que tem a chance de reescrever sua trajetória na amamentação, fazem essa luta valer a pena.


Texto de Gabrielle Gimenez @gabicbs

Texto publicado originalmente na minha conta do Facebook em 04 de fevereiro de 2018.

Deixe uma resposta