Você não precisa produzir muito leite. Apenas o suficiente para o seu bebê!

Você não precisa produzir muito leite... Apenas o suficiente para o seu bebê.
Foto: Elisa Elsie – Duas Estúdio

Essa ideia de que a mulher precisa ter seios fartos que jorrem muito leite para que a amamentação seja exitosa não tem base científica alguma. São só crenças passadas adiante e que semeiam dúvida no coração das futuras e recém-mães.

Se bem no início da amamentação, logo após a apojadura ou descida do leite, o nosso corpo produz mais do que precisa por uma questão de preservação da espécie (já que ainda não sabe qual a real demanda do bebê, então produz a mais para garantir que não falte suprimento), isso não significa necessariamente peitos cheios, duros, que vazam leite dia e noite. A ausência destes fatores não implica em uma produção de leite insuficiente. E mais adiante a produção se ajusta à demanda do bebê, evitando desperdícios.

O que ajuda a manter uma produção adequada:

  • Amamentar em livre demanda, sempre que o bebê solicitar, pelo tempo que ele quiser, pois quanto mais o bebê mamar mais leite será produzido;
  • Não usar bicos artificiais (chupeta, mamadeira, bico intermediário de silicone), já que eles impedem a concretização da livre demanda e podem alterar a pega e a capacidade de sucção do lactente, diminuindo a ingesta de leite, o que compromete o ganho de peso do bebê e a produção materna;
  • Autoconfiança no mecanismo da amamentação feita à demanda, nas propriedades do leite materno e no nosso instinto, além de pensamentos positivos e amorosos sobre o bebê. Deixar a ocitocina fluir!

O que não ajuda:

  • Controlar os horários das mamadas e sua duração;
  • Esperar o peito encher para oferecer novamente, já que esta prática na verdade inibe a produção de leite (quanto maior o estímulo maior a produção, quanto mais espaçado e limitado esse estímulo, maior a ação do FIL – fator inibidor da lactação e menor a produção) e a ingesta pelo bebê do leite com maior teor de gordura (seios muito cheios tem leite com menor teor de gordura, e seios murchos, constantemente esvaziados, tem leite mais gorduroso), novamente afetando seu ganho de peso e a produção materna;
  • Achar que todo choro é fome e esquecer que o peito possui outras funções além de encher a barriga;
  • Um contexto repleto de críticas, falta de apoio e crenças limitantes. O estresse inibe a ação da ocitocina.

Produzir leite demais (hiperlactação), na verdade, pode se tornar um problema. O medo se vence com informação. Amamente com confiança e não permita que ninguém te faça acreditar que você não é capaz ou que o seu leite não é o bastante.

[Leia mais em: A Realidade Por Trás do “Eu Não Tive Leite” e Preciso Esperar o Peito Encher Antes de Voltar a Oferecê-lo ao Bebê?]

[Você acha que não produz leite suficiente? Então não deixe de assistir a nossa live ou ouvir nosso podcast sobre Baixa Produção de Leite na Amamentação.]


Por Gabrielle Gimenez @gabicbs

Texto originalmente publicado na minha conta do Instagram em 8 de abril de 2019.

Deixe uma resposta